Arquivo

Archive for the ‘Eventos’ Category

Cobertura atrasada do Nokia Camp 2009

1257444031 (5/11/2009) 6 comentários

Nokia Camp 2009 - Eu fui!Aconteceu faz uns dias já (24 de Outubro de 2009) o Nokia Camp 2009. Muita gente bacana blogou a respeito, e como nós do Free Bird estivemos lá, não poderíamos deixar passar em branco. O post saiu tarde porque o tempo para escrever anda minguando e tive poucas oportunidades durante esses dias todos para andar com o post. Mas vamos lá.

Pela primeira vez o Free Bird estava presente para cobrir um evento. Depois de várias coberturas a distância (Nokia World 2009, lançamento do HTC Magic, Maemo Summit 2009), finalmente fomos convidados (se é que podemos dizer isso, já que pedimos convites :-)) para participar de um evento. E não foi um evento qualquer: foi o maior evento da Nokia em terras brasileiras esse ano. Eu fui! É mesmo, eu estava lá! \o/

O evento aconteceu no Espaço Wynn, um lugar muito bacaba e que estava muito bem decorado e organizado para o evento. O Espaço fica no World Trade Center brasileiro #medo, que fica no Novo Broklin, em São Paulo (que todos vocês sabem onde fica. Espero).

Nokia Camp 2009 antes da ocupação (foto de fmigro, compartilhada no twitpic)

Nokia Camp 2009 antes da ocupação (foto de fmigro, compartilhada no twitpic)

O evento está na segunda edição e contou com a presença de 50 pessoas influentes em mídias sociais, como blogueiros e twitteiros ilustres e/ou famosos, além de mais 200 pessoas envolvidas com a Nokia de alguma maneira, como os Gurus, moderadores de fóruns, blogueiros não tão famosos ou ilustres e os anões da blogosfera, gente como nós do Free Bird.

O objetivo do evento era fortalecer a relação existente entre a Nokia e os “formadores de opinião” em mídias sociais no Brasil. E fazer muito marketing da empresa finlandesa, é óbvio.

“Ideias em convergência”. O tema do evento não podia ser diferente. Num ano em que a Nokia começa a marcar território não apenas como fabricante de aparelhos mas também como prestadora de serviços de entretenimento digital (em inúmeras frentes convergentes), em que transforma um computador num celular (ou o contrário, que seja), convergência é o que a alma da empresa mais irradia no momento. E foi num ambiente catalítico que o evento aconteceu.

Para iniciar, o evento foi dividido em várias subáreas temáticas. Messaging, música, apps, mapas, foto e vídeo eram as áreas relacionadas aos serviços oferecidos pela marca, além de uma área denominada Praça de Convergência, onde aconteceram as apresentações que tomaram a atenção de todos os participantes, e a área de debates.

Áreas do Nokia Camp 2009: (1) Messaging, (2) Música, (3) Apps, (4) Mapas, (5) Vídeo/Foto, (6) Praça de convergência, (7) Debates, (8) Credenciamento, (9) Entrada, (10) Toaletes

Áreas do Nokia Camp 2009: (1) Messaging, (2) Música, (3) Apps, (4) Mapas, (5) Vídeo/Foto, (6) Praça de convergência, (7) Debates, (8) Credenciamento, (9) Entrada, (10) Toaletes

Pekka Somerto no Nokia Camp 2009

Pekka Somerto no Nokia Camp 2009

O evento começou na área de debates com Pekka Somerto, Vice Presidente global de vendas e Marketing digital da Nokia. Nessa parte do evento só os super blogueiros estiveram presentes, então mais uma vez vou ter que transcrever o que foi possível encontrar de informação.

Já disse que a empresa finlandesa está diversificando seu mercado, mas com algumas das falas do Sr. Somerto, os motivos pelos quais a empresa está tomando esse posicionamento emergem.

A Nokia está sentindo as mudanças do mercado e sentindo a necessidade de se adaptar. Afinal, as chinesas andam fazendo hardware muito barato. Em alguns casos até bem. (Há controvérsias. Fato.) Se manter exclusivamente nesse mercado seria suicídio.

Com seu clássico slogan, “Connecting People“, a Nokia pretendia oferecer dispositivos móveis que pudessem conectar as pessoas. Durante muito tempo, isso era suficiente. Mas já não é mais. Hoje, por meio dos serviços oferecidos, a Nokia tenta conectar “pessoas, lugares e o tempo”. Só não sei se “Connecting People, Places and Time” será um bom novo slogan :-).

Contexto é a palavra da vez. (E isso me deixa feliz, já que faz dois anos que invisto meu tempo nisso, para desenvolver minha pesquisa.) O  desenvolvimento de aplicações sensíveis ao contexto – tentando simplificar ao máximo, aplicações que sabem para que estão sendo usadas, utilizando informações da situação do usuário – deve ser um dos grandes focos da empresa para os próximos anos.

Ovi by NokiaE nesse ponto a porta (em finlandês, Ovi) aparece. Nesse mundo cada vez mais conectado vislumbrado pela Nokia, Ovi é o agente integrador, provendo as soluções e serviços necessários. Para que esses serviços não ficarem perdidos, espalhados, como acontece hoje era a até pouco tempo, Ovi vem ser a porta de entrada, unificando todas as soluções oferecidas pela empresa em uma única plataforma. E a porta, digo Ovi, está aberta.

Dentre todos os serviços oferecidos, foi dado destaque para dois grandes nomes: a loja de games (extinto N-Gage) e de músicas. “Comes With Music é uma revolução no mundo da música”, diz Pekka Somerto. E realmente é. Oferece música “dentro da lei” pelo preço mais barato do mercado, agradando alguns usuários e gravadoras. Outra frase marcante do Sr. Somerto foi sobre os games vendidos pela Nokia: “A melhor experiência em games de dispositivos móveis”. Essa já não dá para confirmar com tanta certeza. Talvez ele tenha dito isso porque você pode baixar demos dos jogos antes de comprá-los.

E isso era o que Pekka tinha a dizer. Acabada a sua apresentação, iniciou-se uma longa seção de perguntas. Rolaram perguntas sobre Nokia Maps, sobre Nokia Money, Maemo, Symbian e a possível substituição do Symbian pelo Maemo (que não acontecerá), sobre Netbooks, sobre Opensource (argh! Porque não Free Software?). Parece ter sido muito boa. Mas as pessoas já estavam dispersas.

Logo antes (ou logo no começo, isso não ficou muito claro para mim) da seção de perguntas, Pekka Somerto retirou um N900 do bolso, o que deixou os participantes da conversa num frisson absurdo. E como não podia ser diferente, todo mundo que estava lá ficou babando no aparelho. Muita gente tentou tirar foto. Teve até dizeres de exclusividade, sendo que o Free Bird tinha publicado o review do N900 no dia anterior ao evento. (Yaay! \o/ Uhu! :D)

Pekka Somerto tira o N900 do bolso. E a multidão avança (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no Flickr oficial da Nokia Brasil)

Pekka Somerto tira o N900 do bolso. E a multidão avança (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no Flickr oficial da Nokia Brasil)

Todo mundo querendo uma foto do N900 (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no Flickr oficial da Nokia Brasil)

Todo mundo querendo uma foto do N900 (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no Flickr oficial da Nokia Brasil)

E nesse rebuliço causado pelo N900, a parte da manhã, fechada para super blogueiros, terminou. O resumo da parte da manhã, por Cris Dias, foi bastante pertinente: “Chupa Apple”. Não que a Nokia esteja a ponto de desbancar a concorrente, mas as armas estão em posição de ataque. E bem carregadas. 🙂

Entre a parte da manhã e a aberta aos outros 200 participantes do evento, rolou um almoço até onde sei por conta da Nokia para os 50 supers. Nesse ponto, estávamos chegando.

Hora do Rango - Galerinha de peso na fila (foto do Javsmo, compartilhada via twitpic)

Hora do Rango - Galerinha de peso na fila (foto do Javsmo, compartilhada via twitpic)

A propósito, chegamos no evento graças à Carol, que nos guiou em parte do caminho de metrôs e trens até o evento. Muito obrigado pela ajuda e companhia Carol! Enquanto não chegávamos, para passar o tempo, ela tirou fotos e conversou com a Thanuci, que me acompanhou. O Vegetando ficou vegetando. E eu montando meu “cubo mágico”.

Eu e meu Rubik's Cube na ida ao Nokia Camp 2009 (foto da Maria Carol, compartilhada no flickr)

Eu e meu Rubik's Cube na ida ao Nokia Camp 2009 (foto da Maria Carol, compartilhada no flickr)

De volta ao evento. Na segunda parte do evento, que contou com nossa inútil presença, aconteceram painéis, discussões e muito bate-papo (de verdade, não em salas de chat) entre os participantes. Estava lotado, com gente interessada em todas as áreas, principalmente no balcão de comida de graça.

Tiramos muitas fotos, que podem ser encontradas no meu flickr e no flickr do Vegetando. Mas muita gente tirou fotos lá. As fotos que vi de outras pessoas ficaram fantásticas. Não percam a oportunidade de olhar por aí.

Na área de Apps, Rodrigo Toledo e vários pares da comunidade Nokia trataram de assuntos ligados a desenvolvimento e correlatos. Em todas as oportunidades que passei por essa área, não encontrei espaço para sentar. Em alguma fiquei de pé mesmo. Em uma delas cansei e sentei na beiradinha de um dos itens da decoração. Mas sentar nos banquinhos não rolou.

Galera esperando mais um painel na área de apps começar (a cabeça atrapalhando a foto é do Vegetando)

Galera esperando mais um painel na área de apps começar (a cabeça atrapalhando a foto é do Vegetando)

Outro ponto bastante disputado foi a área de foto e vídeo, que contou com oficinas sobre fotografia, vídeos e mais um monte de coisa que eu não consegui acompanhar. Afinal, eu não conseguiria estar em todas as áreas ao mesmo tempo :-).

Na área de mapas, não estava rolando nada que eu tenha assistido acompanhado. Mas estavam oferecendo passeios de carro por São Paulo (o que até aqui não parece nada convidativo) para conhecer como a Nokia e Navteq (que é da Nokia) geram os mapas do Nokia Maps. O passeio parece ter sido muito interessante, porque todas as pessoas com quem conversei a respeito só falaram bem. E uma dúvida de algumas pessoas que foi tirada lá: Nokia Maps será gratuito.

A área de música era outra que sempre tinha gente de pé. Aconteceram painéis sobre música, mashups, Comes With Music, industria da Música, DRM e vários outros assuntos que permeiam o meio musical. Foi uma das áreas em que fiquei pouco, mas nos poucos momentos em que estive lá, ou fiquei sabendo de coisas interessantíssimas, ou vi um debate aberto e limpo. Também ouviu-se uma baita besteira, mas como foi só uma, deixa para lá.

Área de música. O careca não é o Tas.

Área de música. O careca não é o Tas.

A área maior e mais ao fundo era onde estava o pessoal do Nokia Messaging. Lá, duas garotas muito simpáticas estavam contando aos participantes do evento o que o serviço tem de bom, tentando convencer a quem ali passasse a cria uma conta no Ovi Mail (e ela me convenceu) e recebendo muito abertamente feedback sobre o serviço. Digo isso porque falei sem parar, durante 5 minutos (talvez mais) sobre o que eu vi de bom e o que vi de ruim no serviço, e percebi que ela estava fazendo uma compilação mental de cada observação minha. (Por sinal, desde o dia do evento estamos tentando achá-la para tratar de assuntos do blog, e nada. Se você conhecer, contate-nos por favor :-)).

Eu conversando com uma das garotas do Messaging. Listei várias características positicas e negativas nessa conversa aí.

Eu conversando com uma das garotas do Messaging. Listei várias características positicas e negativas nessa conversa aí.

Garotas muito simáticas do Messaging. A procurada é a da esquerda. (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no flickr oficial da Nokia Brasil)

Garotas muito simáticas do Messaging. A procurada é a da esquerda. (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no flickr oficial da Nokia Brasil)

Na área do Nokia Messaging haviam vários Nokia N97 para degustação. Eu e Vegetando não perdemos a oportunidade de testá-lo para ter as primeiras impressões enquanto não conseguimos um aparelho para fazer um review. Mas vamos guardar nossas observações sobre ele para o review. Aguardem! 🙂

Foto que o Vegetando tirou com o Nokia 5800 da foto que ele tinha tirado com o Nokia N97 (a da TV). Ele me pegou de surpresa nessa. Pena não ter conseguido copiar a foto tirada pelo N97.

Foto que o Vegetando tirou com o Nokia 5800 da foto que ele tinha tirado com o Nokia N97 (a da TV). Ele me pegou de surpresa nessa. Pena não ter conseguido copiar a foto tirada pelo N97.

Na área de debates, durante a tarde toda Mona Dorf (que devia ser a única pessoa no evento que não sabia que o Jonny Ken era o criador do migre.me) mediou debates sobre inúmeros assuntos. Em todas as oportunidade que passei por ali, haviam pessoas diferentes sentadas no palco, e sempre tratando de assuntos completamente diferentes. Passou de tudo por ali: blogueiros famosos, blogueiros de tecnologia móvel (e algum que não tinham nenhuma relação com tecnologia), pessoas que estavam na platéia e que queriam participar (apesar de um amigo ter sido convidado a subir e depois a descer sem ter a chance de falar), ou, de maneira resumida, parte significativa das pessoas que perambularam pelo evento.

Debate sobre empreendedorismo e várias coisas afins. Mais um momento 'Larga o microfone Jonny'.

Debate sobre empreendedorismo e várias coisas afins. Mais um momento 'Larga o microfone Jonny'.

Depois da seção de painéis, Danilo Gentili, que chegou atrasado, fez uma apresentação, que teoricamente era um stand-up. Conversando com pessoas que curtem stand-up e já foram em várias apresentações, cheguei à conclusão que aquilo não foi um. E se foi, foi um dos piores. de qualquer maneira, foi bem ruim, e isso resume a apresentação toda dele.

Danilo Gentili em seu "stand-up"

Danilo Gentili em seu "stand-up"

O QR code perdido.

O QR code perdido.

Ao fim da apresentação do Gentili, aconteceu caça ao QR code. O pessoal da organização escondeu 10 QR codes pelo local do evento. E a primeira pessoa a chegar em um determinado ponto (ao lado do palco da apresentação do Gentili, para ser mais específico) com o conteúdo revelado por cada um deles, ganharia um Bluetooth Headset da Nokia. Foi um momento muito divertido para o grupo em que estávamos reunidos (eu, Thanuci, Vegetando, Carol e Jonny Ken), pois juntos conseguimos encontrar 6 dos 10 QR codes em pouquíssimo tempo. Perdemos um deles, porque o Vegetando não tinha entendido o funcionamento da brincadeira e acabou mostrando para outra pessoa um dos que ele achou. Mas no fim, não fez diferença: conseguimos ainda 1 headset para cada um. \o/

Logo depois, DJ Bruno E. e Patrícia Marx fizeram uma apresentação relâmpago. A galera curtiu bastante o som dela, que eu nunca tinha ouvido. Até eu que não curto muito o estilo achei bacaninha.

Patrícia Marx e Bruno E. no finzinho do Nokia Camp 2009 (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no flickr oficial da Nokia Brasil)

Patrícia Marx e Bruno E. no finzinho do Nokia Camp 2009 (foto de Silvio Tanaka, compartilhada no flickr oficial da Nokia Brasil)

Por fim, para encerrar o evento, rolou um coquetel cheio de hamburguinhos, pasteizinhos, salgadinhos e toda a sorte de coisinhas em miniatura que todo mundo menos o Vegetando gosta. Foi um fim de evento excelente, muita conversa, troca de figurinhas e cartões de visita.

Eu queria ter feito mais lá, mas a limitação de tempo não deixou. Mas isso não foi um problema: conhecemos muita gente legal, como o José Antonio “Javsmo” do NokiaBR, vimos pessoas que considerávamos intocáveis e revimos grandes amigos.

No geral, foi um evento excelente, que superou completamente minhas espectativas. Aproveitamos cada segundo lá. Somando a oportunidade de conhecer pessoas tão legais e influentes, de conversar com tantos amigos, de trocar ideias e experiências com o pessoal de lá, de correr atrás de QR codes como se fossem ouro só pela brincadeira e de gastar todas as nossas energia em algo tão bacana, o evento foi um sucesso. Porque outra alternativa não existia.

O Nokia Camp 2009 se foi. Que venha o Nokia Camp 2010!

Anúncios
Categorias:Eventos Tags:, , ,

Maemo Summit 2009 – Dia 3

1255469628 (13/10/2009) 14 comentários
Maemo Summit 2009

Maemo Summit 2009

Terceiro e último dia do Maemo Summit. Segundo dia de evento organizado pela comunidade. Muita coisa rolou, desde repetecos aprofundados dos outros dois dias a apresentação de material novo e surpreendente.

Sala principal do Maemo Summit - garanto que os participantes vão sentir saudade dela (foto de henribergius, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Sala principal do Maemo Summit - garanto que os participantes vão sentir saudade dela (foto de henribergius, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Mas antes de mais nada, um esclarecimento. Se comparado com os outros dois dias, a quantidade de informação produzida colaborativamente foi bem pequena. Mas isso tem uma explicação simples: todo mundo estava cansado. Também pudera! Desde sexta-feira 8 de Outubro, a vida tem sido intensa para toda essa galera.

Por conta disso, o dia começou atrasado para muitos dos participantes do Maemo Summit. Relatos desse tipo não faltaram. Várias pessoas perderam o começo do dia de evento.

As primeiras apresentações e demos do dia foram das grandes aplicações da comunidade. eCoach foi a primeira, mas nada do que foi relatado lá parecia novo. Tracking via GPS, monitoramento de batimentos cardíacos via bluetooth.

Na sequência, foi apresentado o Mauku 2.0, nova versão do cliente twitter mais conhecido do Maemo. Algumas novidades foram apresentadas, como um novo backend que permite adição de novos serviços de microblogging. Já há suporte para Twitter, Jaiku (que eram os já presentes), Qaiku e identi.ca. Mas também vimos alguns relatos de que ainda há o que melhorar, e que o Maemo ainda precisa de e merece um bom cliente Twitter.

O último demo a ser apresentado foi sobre o osm2go, um aplicativo para visualizar e editar conteúdo do OpenStreetMap. OpenStreetMap é a “Wikipédia dos mapas”: qualquer pessoa pode editar e visualizar mapas de lá. O osm2go é um ótimo aplicativo para que qualquer um possa contribuir. Com certeza o melhor aplicativo demonstrado nessa sessão na minha opinião e também na dos presentes. Muita gente elogiou.

Outro demos foram apresentados também, entre eles o liqbase, um “playground gráfico para Maemo” e o OMWeather, widget de clima. Nada de muito relevante foi comentado no twitter, no entanto.

Algumas das estrelas do Fremantle - eCoach, Mauku 2.0 e OMWeather (imagens do Maemo Select)

Algumas das estrelas do Fremantle - eCoach, Mauku 2.0 e OMWeather (imagens do Maemo Select)

Das 15 apresentações da manhã, 4 merecem destaque. Iniciando pela primeira apresentação da sala N900, Maemo Browser for power users. Nessa apresentação foram expostos alguns pontos chave do navegador desenvolvido para o Maemo 5. Para um melhor suporte aos padrões da Web, a engine Gecko, da Mozilla (engine do Firefox), foi a escolhida. Desempenho foi um dos pontos mais martelados no desenvolvimento do navegador, que é bastante rápido. Outro ponto forte, mas esse já não é novidade, é que a navegação sem horizontal scrolling, já que a resolução da tela é 800×480 pixels e o navegador tem suporte a tela cheia, como nos dispositivos antecessores. Além disso, o browser suporta algumas gestures, como zoom “na manivela” (veja vídeo) e outras tantas maravilhas.

Para uma experiência igual a do desktop, uma coisa não poderia faltar: Flash. E para alegria de todos, o suporte a Flash no browser padrão do Maemo 5 é completo! Outra coisa importante para qualquer browser dissidente do Firefox é o suporte a addons, e novamente o navegador corresponde! O suporte a extensões é igual ao suporte no Firefox, mas para usar extensões, elas terão que ser portadas.

Outra apresentação que merece ser comentada pela polêmica gerada foi sobre a nova plataforma de segurança do Maemo: Maemo Platform Security: Principles and Concepts. Foram apresentados diversos mecanismos e técnicas utilizados para proteger a plataforma de software como um todo. Sendo mais específico, as preocupações com segurança são:

  • Proteção a privacidade (Privacy Protection)
  • Controle de acesso (Access Control)
  • Proteção de integridade (Integrity protection)
  • Hardware Enablers (sem bom tradução)
  • Gerenciamento de chaves (Key management)
Slide da plataforma de segurança do Maemo 6 - proteção a privacidade, controle de acesso, proteção de integridade, hardware enablers (nenhuma tradução decente para isso) e gerenciamento de chaves (slides no Slide Share)

Slide da plataforma de segurança do Maemo 6 - proteção a privacidade, controle de acesso, proteção de integridade, hardware enablers (nenhuma tradução decente para isso) e gerenciamento de chaves (slides no Slide Share)

Maemo 6 terá dois modos: aberto (open, modo atual) e fechado (closed). A introdução do modo fechado é necessária ao olhos da Nokia para permitir DRM e outras questões de comercialização. Com esse novo modo, eles ficariam mais a vontade portar N-Gage, Music Store e outros. Para mim e mais algumas pessoas do movimento de software livre, é um furo na liberdade. Mas para outros, pode ser um meio de perder um pouco de liberdade para ganhar em outros aspectos (que eu (in?)felizmente não consigo ver quais :-)). Nos argumentos do Vegetando, “pode ser até um ganho de liberdade, já que você pode escolher entre o fechado e o livre ao invés de ficar preso apenas ao livre”, o que é uma coisa confusa e dúbia. Não pela fala dele, que eu adaptei para transcrever aqui. Mas pela ideia em si. É uma coisa bem complexa e que precisa de mais discussão. (Tem alguma opinião sobre? Comente aí!)

Mais a fundo no novo modelo, algumas coisas serão mais difíceis, e não há quem me convença de que isso não é perda de liberdade. Na nova plataforma de segurança, não será possível reinstalar o SO (reflash) em dispositivos bloqueados. É um ganho para a Nokia, obviamento, porque fará o aparelho ser mais atrativo para as operadoras. Mas os usuários e a comunidade de maneira geral vão perder. E isso já é possível no N900. (#medo).

Além dessas questões de segurança já apresentadas, existem mais alguns problemas relacionados ao modelo de controle de acesso do Unix, no qual o modelo do GNU/Linux foi baseado. No modelo clássico de controle de acesso do Unix, basta especificar controle multiusuário e pronto. Mas para Maemo, vê-se a necessidade de um controle mais fino. Isso pode ser uma coisa muito boa, se bem feita, já que é real a necessidade de um esquema melhor no controle de acesso. Mas se feito sem muito cuidado, pode virar um grande monstro, completamente fora do modo Unix de resolver problemas. A princípio, a proposta e o direcionamento atual do desenvolvimento do controle de acesso parecem bons. Mas aguardemos para ver no que isso vai dar.

Para finalizar o assunto de segurança, foi dito que grande parte do código relacionado a segurança será aberto. Bom porque mais gente poderá ver o código, contribuir, encontrar bugs. Ruim porque não é todo o código, então vamos continuar com pequenas partes amarradas à Nokia ainda.

E uma dúvida associada às licenças foi tirada hoje: Nokia não pretende aderir à GPL3. Ficará com LGPL e GPL2 por questões estratégicas.

Um assunto já muito comentado que foi tema de uma palestra que forneceu informações importantes foi o port do KOffice para Maemo: Mobile Office based on KOffice Open Source Project. Que o Maemo 5 virá com KOffice só para visualização já era conhecido. Mas hoje foram liberados alguns detalhes extras a respeito. Para começar, o visualizar de apresentações, o KPresenter, não faz a exibição dos slides, devido a uma pendência do port. Além disso, finalmente apareceu um vídeo do uso do KOffice no Maemo 5. Várias características do software foram mostradas, com foco no visualizador de documentos e de slides.

A última apresentação a ser comentada foi logo antes do almoço, sobre a integração do Telepathy on Maemo. Foram apresentados os motivos da troca dos aplicativos anteriores pelo Telepathy e também comentadas algumas novas características que o Maemo ganhou com a integração.

A motivação para trocar o IM padrão, os aplicativos de video e audio-chamadas  do Maemo pelo Telepathy foi bastante simples: sair de um modelo monolítico e extremamente inflexível para uma arquitetura extensível, totalmente baseada em plugins. Telepathy faz o que lhe é incumbido fazer muito bem, e assim se tornou uma ótima opção.

Na instalação padrão do Maemo, já temos alguns gerenciadores de conexão instaladas, como Skype e ligações telefônicas. Vários outros estão disponíveis nos repositórios para download, e outros podem ser desenvolvidos/portados facilmente, já que o Telepathy tem um ótimo sistema de plugins.

Alguns desafios enfrentados e que tornam o uso do Telepathy no Maemo ainda melhor. Para atender às necessidades de um usuário do N900, a “agenda” do dispositivos precisa gerenciar contatos de telefonia, IM (em diversas redes) e mais. Além disso, pode-se adicionar/remover contatos em modo offline, e uma sincronização é necessária para não perder nenhuma informação. No Maemo 5, isso tudo já é feito.

Depois das palestras pela manhã, aconteceram diversas palestras relâmpago a tarde. Logo depois, aconteceu o encerramento, que foi regado a emoção e união da comunidade. E assim chegou o fim do Maemo Summit 2009.

Encerramento do Maemo Summit 2009. Com certeza, um momento para praticar o desapego. (foto de henribergius, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Encerramento do Maemo Summit 2009. Com certeza, um momento para praticar o desapego. (foto de henribergius, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

E o evento acabou num espírito bem parecido com o do começo.  Muito trabalho da organização, que foi aplaudida com fervor. O objetivo principal de fazer a comunidade interagir foi de longe atingido. O resumo do Maemo Summit foi muito bem feito por Gustavo Barbieri, um dos brasileiros que lá estavam, em um twit (não nessa ordem, adaptei ao meu gosto :-)): ótimas tecnologias, ótimos dispositivos, ótimas pessoas, ótimo evento!

Até o próximo Maemo Summit. Quem sabe no próximo nós realmente não vamos para lá?

Marca deixada num restaurante de Amsterdam por alguns dos participantes ao final do evento. Marca da união dos membros da comunidade e da alta qualidade do evento. (foto de timsamoff, compartilhada pelo twitpic)

Marca deixada num restaurante de Amsterdam por alguns dos participantes ao final do evento. Marca da união dos membros da comunidade e da alta qualidade do evento. (foto de timsamoff, compartilhada pelo twitpic)

Maemo Co-Creation Workshop

1255446257 (13/10/2009) 2 comentários
Co-Creation Session

Co-Creation Session (Foto de aSimulator no Flickr)

Um momento que chamou a atenção no 2º dia do Maemo Summit 2009 foi o Maemo Co-Creation Workshop. Organizado por Jussi Mäkinen, o workshop ocorre em sessões anuais, nas quais lead users (de modo simples, usuários que conseguem ver necessidades que surgirão pelo público comum) e pessoas envolvidas na gerência, projeto e marketing de produtos do Maemo interagem e imaginam futuros casos de uso para dispositivos. O tema abordado esse ano foi: Criatividade em Movimento.

A iniciativa é uma forma de desenvolver produtos inovadores, de antecipar tendências e criar soluções sem as quais o usuário não consiga viver sem a partir do momento em que sabe que ela existe ou que a utiliza. A ação foi baseada em 5 princípios norteadores, apresentados no artigo CO-CREATION’S 5 GUIDING PRINCIPLES or…. what is successful co-creation made of?. Essencialmente os princípios são:

  • Inspirar Participação: mostrar quem é você (como empresa), o porquê de precisar da particpação das pessoas e o tipo de resultado que isso pode trazer. Dentro disso, tratar todos de forma igual  (usuários, desenvolvedores e pessoas envolvidas);
  • Selecionar os melhores (lá se vai “todos de forma igual”): dos usuários que participaram, buscar refinar e obter um conjunto daqueles que se destacam, que mostram potencial para ter idéias e colaborar dentro do processo criativo;
  • Conectar mentes criativas: tendo o grupo de pessoas formado, permitir que elas trabalhem bem em conjunto, sabendo discutir e receber críticas;
  • Compartilhar os resultados: mostrar os resultados que foram obtidos, reconhecer as boas participações e dividir os benefícios;
  • Continuar o desenvolvimento: dar continuidade ao desenvolvimento do trabalho mantendo realacionamento com a comunidade.
Maemo Community

Comunidade do Maemo e projetos relacionados

A Nokia trabalhou exatamente dentro desses princípios. Semanas antes do evento (no dia 17/08/2009) a empresa apresentou para a comunidade do Maemo o projeto (teve até uma chamada de participação no twitter) e deixou claro o que seria feito, como seria feito e que resultados poderiam ser obtidos, com a previsão de que estes poderiam se tornar produtos concretos. Evidenciou que seriam valorizadas tanto as contribuições offline, trabalhadas diretamente pelas pessoas da Nokia, quanto as online, pela participação de membros da comunidade (são mais de 20.000 membros registrados).

Dois dias depois de apresentar a proposta foi postada a primeira idéia a ser debatida: O que Mobilidade Criativa significa para você? (uma tradução de What does Mobile Creativity mean to you?). As discussões online geraram cerca de  40 respostas e incluíram temas e idéias como integração e contextualização de informações, edição facilitada de mídias, conteúdo colaborativo, realidade aumentada e reconhecimento de gestos adaptado automaticamente para cada usuário. Tim Samoff, que posteriormente foi um dos selecionados do projeto, chegou a postar alguns rascunhos de idéias envolvendo informações de contatos e informações integradas ao calendário.

Cerca de duas semanas depois o segundo tema foi apresentado para ser discussão:  Qual será a próxima melhor coisa dentro de Edição e Compartilhamento de Mídia Criativa? (What will be the next best thing in Creative Media Editing & Sharing?). Com 51 respostas, surgiram idéias voltadas para trabalhar com pessoas, grupos e amigos, compartilhando e editando conteúdo. Entraram em questão tecnologias como OCR, reconhecimento de voz, RFID, produtos para DJs e temas relacionados a produção de conteúdo, mesmo com gadgets diferentes, experiências colaborativas e fotos 3D.

Quase que paralelamente às discussões foi iniciada a montagem de uma lista para que os membros mostrassem interesse em participar do workshop ou pudessem recomendar pessoas que se encaixavam no perfil esperado. Por pouco menos de duas semanas depois surgiu terceira e última proposta para discussão: Qual será a próxima melhor coisa dentro de Descoberta de Conteúdo? (What will be the next best thing in Content Discovery?). O brainstorm levou a 61 postagens no fórum, que envolveram discussões sobre tecnologias e propostas como CPEX, Web Semântica, Google WebFinger, além do papel da Nokia dentro desse processo e da capacidade da Ovi.

Um dia antes do início do Maemo Summit ocorreu o workshop em si, já com os participantes selecionados. As participações envolveram grupos que foram subdividos para trabalharem em dentro dos temas propostos.

Maemo Co-Creation Workshop

Maemo Co-Creation Workshop

Depois de tantas discussões, reuniões e propostas, o que se conseguiu? As discussões viraram 6 cenários de uso, dos quais 4 foram escolhidos para serem detalhados e trabalhados a fim de gerarem produtos para o Maemo. Os resultados foram divulgados na comunidade no primeiro dia do Maemo Summit. No segundo dia foi apresentado no próprio evento. Os cenários foram explicados a partir dos conceitos criados para a solução dos problemas envolvidos. Os próximos tópicos são uma reprodução do que foi apresentado no fórum.

Conceito 1: Conteúdo Contagioso

O conceito é uma forma de espalhar e compartilhar conteúdo com outras pessoas, baseado em interesses em comum. Funciona da seguinte forma: enquanto uma pessoa anda em uma rua é possível usar o dispositivo para ver o conteúdo que está sendo usado e compartilhado por pessoas que estejam à sua volta.  Conteúdos de mesmo tipo criam campos de calor (a tradução mais próxima que encontrei, com ajuda do Panaggio, para heat-pools) em volta da pessoa. Com isso, é possível ver qual conteúdo é mais utilizado e possui maior interesse direcionado pelo seu dono. Quando há pessoas próximas fisicamente (passando na rua ou em um mesmo ambiente) e que possuem perfil de interesse relacionados, são formados grupos. Pessoas destes grupos passam a compartilhar o conteúdo de seu interesse entre si. Pessoas que estão próximas mas que não possuem o conteúdo de interesse relacionado ao seu são tratadas como radicais livres. O conteúdo dessas pessoas não é evidenciado, são tratados como pontos que transitam em torno do dono do aparelho. Uma vez que mais pessoas passem a ter interesse por esses radicais livres, passando a acessar o conteúdo, eles se tornam campos de calor.

Conteúdo viral

Conceito 1 - Conteúdo contagioso (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

De uma forma um pouco menos abstratata, como explicada por um dos participantes do processo, as pessoas podem definir seus interesses e configurar o tipo de conteúdo que pode ser compartilhado (a idéia de calibrar o interesse pode ser algo próximo ao Playlist DJ do Nokia X6). A definição dos interesses pode ser feita por tags e metadados que classificam o conteúdo e que permitem caracterizá-lo. O que se espera é que as pessoas compartilhem aquilo que elas vêem como interessante, como sendo algo de valor.  Ao ir a um show, por exemplo, é possível encontrar um grande número de pessoas com gostos musicais próximos. Algo interessante é que o conteúdo dos dispositivos deve estar disponível na nuvem (em servidores que mantêm o conteúdo na Internet). Assim, caso o dispositivo passe por outro com muito conteúdo relacionado, ele não precisará transferir todo o conteúdo de aparelho para aparelho, o que poderia ser inviável. Apenas as referências aos links do conteúdo podem ser recuperadas, de modo que cada dispositivo baixe da nuvem seu conteúdo.

Conteúdo contagioso

Conteúdo viral (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

Conceito 2: Enriquecer (N-rich )

Uma grande quantidade de conteúdo pode ser gerada com dispositivos móveis. Para conseguir organizar e facilitar seu gerenciamento e recuperação desse conteúdo são utilizadas tags, que atuam como metadados (mais informações sobre o conteúdo). O problema deste cenário é conseguir atribuir tags de forma apropriada. O conceito de N-rich, proposto neste cenário, visa permitir que as pessoas possam recuperar conteúdos e atribuir tags de forma mais inteligente. A base para isso está no uso das informações dos contatos: pessoas conhecidas e que possuem um grau de confiança e relevância. Cada pessoa trás consigo um certo volume de informações que é coletado e relacionado pelo N-Rich. As informações recuperadas de diferentes repositórios de informaçoes (Facebook, Flickr, LinkedIn, etc.) e incluem fotos, vídeos, informações de contato e, principalmente, tags.  As tags podem ser usadas para melhorar o vocabulário de tags do próprio usuário, por meio de um sistema de aprendizagem que aprende a forma mais fácil de achar o conteúdo certo. Cada pessoa pode ser classificada por seu nível de conhecimento a respeito de um certo conteúdo. Por exemplo, caso o usuário esteja procurando um carro novo, o conteúdo e as tags relacionados aos amigos que possuem conhecimento sobre carros estarão dentro da área de interesse.

Tags inteligentes

Conceito 2 - N-Rich (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

N-Rich

Tags inteligentes (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

Conceito 3: Live Editing

A idéia deste conceito é evitar uma situação comum: as pessoas tiram fotos e gravam vídeos, mas postergam a edição e o tratamento deles indefinidamente. Quando o conteúdo precisa ser compartilhado ou usado há muito trabalho para ser feito. Como solução é proposto um modo de ajuste das fotos e vídeos no momento da criação. As configurações (luz, contraste, efeitos especiais e outros) são feitos com sliders e controles touch-screen simples e intuitivos. A foto e o vídeo são criados já prontos para o compartilhamento ou publicação.

Live Editing

Conceito 3 - Live Editing (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

Live Editing

Live Editing (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

Conceito 4: Juntar-se à Banda

O quarto conceito pode ser entendido dentro de um evento em que as pessoas tiram fotos, fazem vídeos, criam anotações e geram outros tipos de conteúdo. Ao final do evento é comum que demore até que o conteúdo gerado pelas outras pessoas possa ser acessado, até mesmo porque é difícil que uma pessoa pare e se disponha a compartilhar e organizar o conteúdo dela. Como solução para esse problema foi proposto ter um local centralizador de conteúdo, no qual todos os recursos são armazenados durante o evento. Por fim, todos têm acesso a todo conteúdo gerado.

Experiência colaborativa

Conceito 4 - Juntar-se à banda (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

Juntar-se à banda

Experiência colaborativa (imagem por Marieke no fórum maemo.org)

As idéias que surgiram no Maemo Co-Creation, se implementadas, podem levar a produtos interessantes. São o tipo de facilidade que pode ser integrado ao cotidiano, atuando de modo quase transparente para o usuário, mas que leva a novas formas de interação. Por exemplo, tentar pesquisar sobre o conteúdo de uma pessoa interessante que está em um mesmo local antes de ter uma conversa com ela (ok, isso é fruto de uma mente nerd que prefere passar minutos pesquisando sobre a pessoa sem ter coragem de falar com ela pessoalmente),  recriar um evento pela composição de todos os materiais produzidos pelos participantes ou ter ainda melhor qualidade em cobertura de acontecimentos que são registrados por pessoas comuns com local e momento oportunos.

Ainda há muitas questões envolvidas para que os projetos sejam realmente criados. Além das questões tecnológicas envolvidas, sobre viabilidade dos projetos e possibilidade de implementação, há questões relacionadas à privacidade do usuário e distribuição de conteúdo com direitos autorais.

Sobre o evento, fica o registro do processo de criação de novos produtos e do exemplo de interação entre a empresa, responsável pela criação do produto, e a comunidade, que trabalha no desenvolvimento e na evolução dos seus recursos.

Maemo Summit 2009 – Dia 2

1255372545 (12/10/2009) 2 comentários

Maemo Summit 2009

Como anunciado anteriormente, o primeiro dia do Maemo Summit ficou por conta da Nokia, enquanto os outros dois ficaram a cargo da comunidade. O segundo dia do evento foi iniciado com a apresentação do Maemo Council, formado por 5 integrantes (voluntários, que não recebem remuneração e nem estão ligados à Nokia) escolhidos por usuários, desenvolvedores e pessoas envolvidas com o Maemo. O papel do conselho é estabelecer a comunicação entre a comunidade e a Nokia, e vice-versa.

Os membros são pessoas ativas na comunidade e que trabalharam em projetos como o EasyDebian, BlueMaemo e GPE. Na apresentação cada um falou de idéias e perspectivas para o Maemo.

Maemo Council

Maemo Council formado por Randall Arnold, Alan Bruce, Graham Cobb, Matthew Lewis e Valério Valério (foto de aSimulator no Flickr).

Projeto Interface para o Maemo 5

Apesar de estar relacionada à área de desenvolvimento, a palestra teve algumas informações pertinentes para futuros usuários do N900. A interface está voltada para um bom uso sem stylus, adaptada aos dedos, e os desenvolvedores são orientados a utilizar poucos elementos, mantendo a simplicidade e evitando personalizações. Estes fatores permitem manter a consistência da interface e acelerar o processo desenvolvimento. Outra característica comentada é que mesmo que alguns botões estejam pequenos, como o “X” de fechar aplicativos, a área reconhecida do botão é maior, como se existisse um campo ao redor dela.

Maemo 5 Interface

Maemo 5 Interface (Foto de mackarus, no Flickr)

Personalização do N900

Foram mostradas as possibilidades de personalização da interface, mudando elementos visuais, papel de parede, sons e alertas. Como visto nos vídeos sobre o N900, há quatro áreas de trabalho que formam um desktop panorâmico, com um papel de parede contínuo, que pode ser visualizado e “percorrido” pelo usuário ao tocar a tela. Há, inclusive, wallpapers disponíveis que exploram esse recurso, como fotos, fases de jogos e ilustrações.

Para quem quiser começar a criar temas para o aparelho é possível usar o Theme Maker, que permite alterar ícones e imagens de fundo. As imagens de fundo podem ser trocadas no desktop, media player, relógio e gerenciador de aplicativos. Usuários que possuem um pouco mais de conhecimento técnico podem ganhar acesso como root e alterar ícones, sons, fontes e outros arquivos diretamente.

O suporte a perfis de sons do aparelho ainda está limitado. Há apenas dois perfis (fato que causou certo espanto): silencioso e geral. Não existem opções de criar toques específicos para grupos ou pessoas, criando a expectativa de que as funções sejam implementadas. O vídeo abaixo mostra o funcionamento do N900 ao realizar e receber chamadas.

Aplicativos para o Maemo 5

Durante o evento foram apresentadas novidades com relação a aplicativos para o Maemo 5, apesar de suas versões anteriores estarem disponíveis para o Maemo 4 (Diablo). A maioria não trouxe muitas novidades, foram uma transição do Maemo 4 para o 5.  Os aplicativos cobrem diferentes aspectos, como e-mail, contatos, comunicação e multimídia.

O Modest é o cliente de e-mail já utilizado no Maemo 4 (no N800 e N810) e que agora está em desenvolvimento para a versão 5 do sistema operacional. Seguindo a tendência do Fremantle, a nova versão do aplicativo deve oferecer uma experiência de uso melhor com os dedos, além de manter preocupações como o uso de várias contas e boa experiência em dispositivos com desempenho e conexão limitados.

Cliente de e-mail do Maemo 5

Cliente de e-mail do Maemo 5

O Feed Handler, aplicativo já disponível no Maemo 4, permite escolher entre diferentes ações quando se escolhe assinar um feed. Por exemplo, é possível adicionar o feed ao gerenciador de feedspodcasts, Google Reader e outros. As novas propostas para o desenvolvimento do Feed Handler estão voltadas para permitir a adição dinâmica de outros aplicativos (atualmente isso é feito de forma específica, o que não oferece muita flexibilidade para agregar ferramentas de terceiros ), melhorar a interface e dar suporte a outros navegadores (no momento suporta o navegador padrão de cada versão do Maemo).

Feed Handler - Gerenciador de assinaturas de feeds

Feed Handler - Gerenciador de assinaturas de feeds.

Foram apresentados conceitos relacionados a três aplicativos contextualizados em anotações: Conboy, Tomboy e Snowy. O Conboy é um aplicativo para a criação e gerenciamento de anotações. Uma de suas vantagens é trabalhar com arquivos criados pelo Tomboy, também voltado para anotações, mas utilizado em computadores. A apresentação sobre o Conboy incluiu a novidade de permitir o uso do Snowy, uma aplicação Web que permite sincronizar, visualizar, editar e compartilhar notas do Tomboy. A iniciativa, além de facilitar a sincronização de anotações entre diferentes aparelhos, oferece possibilidades de editá-las na Web e de ser integrada a aplicativos e serviços de terceiros. Outra observação realizada pela apresentação: no N900 o Conboy pode ser usado também no modo retrato, mostrando que o suporte ao modo de uso do aparelho em posição vertical está sendo considerado pelos desenvolvedores.

Conboy - Gerenciador de anotações

Conboy - Gerenciador de anotações.

O BlueMaemo, também já utlizado no N800/N810, foi apresentado com uma nova interface para o N900. O aplicativo permite que o aparelho funcione como um dispositivo bluetooth HID, sendo reconhecido e utilizado como mouse, teclado, controlador de apresentações ou controle de vídeo game. Entre as possibilidades de uso estão computadores com diferentes sistemas operacionais, Playstation 3 e outros dispositivos móveis que aceitem o perfil bluetooth HID.

Canola - Media center do Maemo (Foto de Eduardo Lima)

Canola - Media center do Maemo (Foto de Eduardo Lima)

O Canola é um aplicativo media center com uma interface voltada para uso com interface touchscreen. Sua arquitetura permite adicionar diferentes plugins já existentes, como para Last.fm, YouTube, Flickr e UPnP. No evento foram apresentados outros complementos para Twitter, BitTorrent, Picasa e Remember The Milk. Pelo post recente sobre o desenvolvimento do Canola para o N900, apesar de ainda ter um pouco de instabilidade, o aplicativo é executado bem no N900, com uma experiência próxima à que é obtida em um computador (no N800 sua execução é um pouco lenta).

A sessão de apresentação do Address Book, relacionada ao gerenciamento de contatos do N900, mostrou novidades para usuários e desenvolvedores. Ao digitar algo na tela principal do Maemo 5, surge uma busca por contatos que são filtrados conforme os caracteres são inseridos. Como tendência do Maemo 5, seu uso é voltado para os dedos. Cada contado pode ter diferentes informações, como nome, apelido, idade, endereço, foto, conta do Skype, informações da Ovi e outros. Há uma boa flexibilidade para adicionar outras informações que podem ser necessárias.

Para os desenvolvedores ressaltaram a facilidade de se obter os diferentes dados dos contatos. Isso é relevante para permitir uma boa integração com outros aplicativos, que podem reutilizar informações de contatos, obter fotos e agregar ao seu conteúdo outras informações relevantes ao seu uso. O vídeo abaixo permite ver algumas das informações referentes ao gerenciamento de contatos.

O Fring, aplicativo disponível em diferentes dispositivos móveis (como para Symbian, Windows Mobile e Maemo) também foi apresentado, mas sem grandes novidades além das operações que já faz. Entre elas acessar contas de diferentes serviços (ICQ, GTalk, MSN, etc.), troca de arquivos, ligações com Skype e plugins pra serviços como o Facebook, Orkut e Twitter.

UPnP e DLNA

Um dos temas discutidos foi o trabalho que tem sido realizado no desenvolvimento de uma solução para uso de UPnP para o Maemo e o Gnome Mobile. O UPnP é um conjunto de protocolos que devem permitir a dispositivos estabelecerem comunicação e interagirem de forma simplificada, com reconhecimento e configuração automáticos. Isto entre diferentes tipos de eletrônicos, como dispositivos móveis, TVs, impressoras, vídeo games e câmeras. O N900 já fornece um suporte básico ao UPnP, mas ainda há mais para ser desenvolvido para permitir aplicações mais interessantes, como fazer streaming do conteúdo da TV.

Na apresentação foram realatos os problemas com as especificações do padrão, em temos de como as coisas devem funcionar. Uma solução apresentada foi o uso deo GUPnP, um projeto open source que já oferece alguns dos recursos necessários ao suporte mais completo ao gerenciamento de dispositivos UPnP.

MER
Mer - Evolução do Maemo em dipositivos antigos

Mer - Evolução do Maemo em dipositivos antigos

Ocorreu uma apresentação sobre o MER, uma iniciativa da comunidade para permitir que aparelhos antigos (N770, N800 e N810) continuassem obtendo evoluções do sistema operacional, já que a versão 5 do Maemo, até o que é divulgado no momento, não dará suporte a eles. Foram relatados os esforços e progressos no seu desenvolvimento, como sua disponibilidade para diversos dispositivos, além dos tablets da Nokia, como FreeRunner, SmartQ5, SmartQ7 e Beagleboard. Além disso foi apresentado o plano de desenvolvimento do MER 2, baseado no Harmattan, a versão 6 do Maemo.

Platarforma de Segurança do Maemo 6 – DRM e outras questões

Algo interessante que foi dito, dentro da apresentação sobre a Plataforma de Segurança do Harmattan e comentado pelo AllAboutMaemo:

Devs and users can switch mode when ever they like. Between open and closed mode (DRM). Good compromise. #maesum

O que pode ser entendido, e que continuou em discussão, é que no Maemo 6 o usuário poderá escolher entre ter o aparelho com ou sem DRM (ou, na verdade, fechado ou aberto). Isso é algo semelhante ao que ocorre com o modo red pill, ou talvez algo semelhante ao que ocorre no Symbian com a possibilidade (forçada pelo usuário com hacks) de instalar aplicativos assinados ou não. No caso, usar o modo “fechado”, implica também no uso de DRM e deve permitir ao usuário ter acesso a aplicativos e serviços como a Music Store e o Comes With Music. Se o dono do aparelho não quiser ter esse tipo de restrição, pode optar por mantê-lo aberto, e abrir mão do serviço. O importante é: a opção fica a critério do usuário e pode ser revertida. No terceiro dia do evento devem aparecer mais detalhes sobre essas questões e outros comentários devem ser discutidos na comunidade.

Outras informações sobre o evento

Como apresentado no resumo do dia 1, cada participante do Maemo Summit recebeu um N900 para usar por 6 meses. Com isso, foi possível notar mais comentários sobre o uso do aparelho e suas características. Apareceram relatos (nada que seja estatisticamente relevante) de usuários que preferiram o teclado do N900 ao do N97.

Uma imagem curiosa que apareceu durante o evento foi a de um N900 com cobertura personalizada de madeira. A personalização não está disponível para compra, como anunciado por TheNokiaBlog.

N900 com cobertura personalizada de madeira

N900 com cobertura personalizada de madeira (Foto de mackarus, no Flickr)

O acompanhamento do evento pôde ser feito graças aos comentários feitos pelos participantes do Maemo Summit pelo Twitter e pela cobertura disponível pelo AllAboutMaemo.

Para ver outras fotos do evento, acesse: http://www.flickr.com/photos/tags/maesum/

Eduardo Lima

Maemo Summit 2009 – Dia 1

1255372218 (12/10/2009) 6 comentários

Maemo Summit 2009

Primeiro dia de Maemo Summit. O circo está montado (foto de timsamoff, via twitpic)

Primeiro dia de Maemo Summit. O circo está montado (foto de timsamoff, via twitpic)

Voltamos direto da Amsterdam, Holanda (e não Alemanha =P) para resumir o que rolou de mais interessante no primeiro dia do Maemo Summit, 9 de Outubro de 2009. Organizado pela Nokia, o dia teve vários keynotes solo na parte da manhã tratando do relacionamento entre a Nokia e a comunidade Maemo.  Na parte da tarde, várias apresentações de diversos gêneros aconteceram paralelamente. Fechando com mais uma festa à noite.

Antes de mais nada, só para dar uma noção do clima por lá, logo no primeiro keynote já tinha gente de pé.

Casa cheia no primeiro dia de Maemo Summit (foto de timsamoff, via twitpic)

Casa cheia no primeiro dia de Maemo Summit (foto de timsamoff, via twitpic)

E a coisa começou muito bem mesmo. Para mostrar integração de toda a comunidade, o primeiro slide não podia ser melhor: “We are Maemo” (Nós somos Maemo). Abrindo o evento, Peter Schneider, cabeça da equipe de marketing do Maemo dentro da Nokia, fez uma introdução rápida e apresentou Ari Jaaski, que abriu a sequência de keynotes. Ari contou um pouco da história do Maemo  e disse várias frases que marcaram o evento de cara.

"We are Maemo". Não podia ter começado melhor (foto por mackarus, compartilhada no flickr via Creative Commons)

"We are Maemo". Não podia ter começado melhor (foto por mackarus, compartilhada no flickr via Creative Commons)

Para começar uma lista nada pequena delas, ele disse que desde sempre não gosta do termo Tablet: Tablet is something you eat when you’re sick (“Tablete é uma coisa que você toma quando está doente”). E esse é realmente o posicionamento atual da Nokia: N900 já não é cunhado de Internet Tablet como os seus antecessores. A denominação utilizada para o aparelho é mobile computer (“computador móvel”).

Ari Jaaski comentou sobre a evolução do Maemo nos últimos anos. Outro ponto memorável do evento foi seu relato dos primórdios da plataforma: “Como a maioria de vocês, eu estava aqui antes do Maemo ser legal” (Like most of you guys, I was here before Maemo was cool). Mesmo nessa época, o 770 já era um dispositivo além de seu tempo. Na sequência, mostrou diversos pontos de evolução na interface do Maemo 5.

Outro dado interessante para pelo Sr. Jaaksi: 80% do código do Maemo (como plataforma) vêm de projetos open source (nas palavras dele, mas muito desse código vem de projetos de software livre). Um número que pode assustar muita gente, que deixa outros felizes, e que me deixa (e a mais alguns) com vontade de que os outros 20% se transformem em software livre logo :-).

Ari também fez promessas. Já que muita gente disse que navegação em “modo retrato” era algo importante, na atualização de software do Natal, esse upgrade chega. Resposta rápida para um problema que poderia ter sido grande.

E no fim de sua apresentação, o maior baque do dia, confirmando o boato anunciado pelo @petermaemo como se fosse mentira. Cada participante do Maemo Summit ganhou um N900 “emprestado por seis meses” . Coisa inédita em termos de Nokia. Com certeza, a notícia mais barulhenta do primeiro dia do evento. Você não leu errado: cada um dos participantes recebeu um N900. Apesar de ser por um período de 6 meses apenas, há quem duvide que será cobrado de volta os aparelhos. Eu também duvido. (Como eu queria ter recebido um! #mimimi)

(Pulando um pouco na frente no tempo para não perder o assunto) Logo que começaram a distribuir os dispositivos, uma fila gigante se formou. Todo mundo queria pegar seu N900. Nada de correria, empurra-empurra ou coisa do tipo pelos relatos. Apenas uma ânsia coletiva de pegar o aparelho e começar a brincar! 🙂

Muvuca para pegar o N900. Eu teria saido correndo também. Quem não teria? (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Muvuca para pegar o N900. Eu teria saído correndo também. Quem não teria? (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

O N900 distribuído é da pré-produção, então pode ser que os N900 “de verdade” a serem vendidos em breve sejam ligeiramente diferentes. Pode-se ver um aviso gigante na lateral da caixa dizendo que o aparelho não é para venda. A caixa também não tinha nada de muito especial em termos de arte, apenas um relevo do N900 aberto na tampa. O resto, é praticamente tudo preto.

Caixa do N900 distribuído. Não é para vender. Mas também duvido que alguém queira. (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Caixa do N900 distribuído. Não é para vender. Mas também duvido que alguém queira. (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Assim que puderam suas mãos nos novos dispositivos, vários dos usuários correram para desempacotar. Rolou um mass unboxing na área de refeições logo depois da distribuição. Acho que ninguém conseguiu almoçar direito. Não porque eu não almoçaria, mas pela movimentação no vídeo :-).

Alguns dos felizardos que receberam o N900. #inveja (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

Alguns dos felizardos que receberam o N900. #inveja (foto por mackarus, compartilhada no flickr pela Creative Commons)

(Voltando no tempo…) Depois da apresentação feita por Ari Jaaksi, vieram duas apresentações que vou resumir rapidamente. A primeira foi do diretor executivo da Linux Foundation, Jim Zemlin, que falou da importância do (GNU/)Linux hoje e em como ele vê GNU/Linux alterando o panorama de software. Na sequência, Jose-Luis Martinez Merino falou da Nseries e de como 770, N800, N810 e N900 tem um valor importante nessa família.

O keynote seguinte foi feito por  Janne Heikkinen, cabeça do planejamento de produtos Maemo da Nokia, sobre as oportunidades para desenvolvedores envolvendo Maemo 5 e 6. Heikkinen apresentou alguns dos objetivos para este ano e para o próximo, como port completo do Qt 4.6 até o fim do ano que vem. E complementarmente ao Qt 4.6, será provido do Nokia Web Runtime (WRT), que permitirá a criação de widgets em qualquer lugar. Com tais tecnologias, há a possibilidade de desenvolver aplicativos cross-platform. Além disso, o N900 terá suporte à Ovi Store ainda esse ano.

Outra tecnologia chave para a evolução e subida para upstream dos mobile computers da Nokia citada por Heikkinen que será suportada pelo Maemo 6 é multitouch (em telas capacitivas), provida pelo Qt 4.6.

Outra promessa para o Maemo 6 é suporte ao modo retrato para a home screen, em adição ao modo paisagem. Além disso, a tela será “infinita” tanto na horizontal quanto na vertical (hoje só é “infinita” na horizontal).

Maemo 6 promete suportar tanto modo retrato quanto modo paisagem (foto por gizmodo, via creative commons)

Maemo 6 promete suportar tanto modo retrato quanto modo paisagem (foto por gizmodo, compartilhada via Creative Commons)

Sketch da Home screen infinita do Maemo 6. Parece interessante, não? (foto do gizmodo, compartilhada via Creative Commons)

Sketch da home screen infinita do Maemo 6. Parece interessante, não? (foto do gizmodo, compartilhada via Creative Commons)

Ele também apresentou a forma com que as aplicações serão distribuídas, como maemo-extra para aplicativos da comunidade, Ovi Store (no fim do ano) para aplicações comerciais e o canal de divulgação Maemo Select, que foi aberto recentemente.

Uma das frases do Peter Schneider sobre o primeiro dia do evento ficou na minha cabeça. Ele resumiu em pouquíssimas palavras o andamento da carruagem para os próximos dias de evento e anos de desenvolvimento:

Day 1 for Maemo Summit 2009 – Day 0 for Maemo 6 #maesum

A última apresentação antes da “segunda parte” do primeiro dia do evento foi a entrevista de Ari Jaaksi por um conhecido membro da comunidade, falando do porque a comunidade Maemo importa para a Nokia. Mais uma vez, algumas frases de Jaaksi marcaram o dia, mas vocês já devem estar entediados de falas dele.

E esse é o fim das apresentações da manhã e início da tarde, parte do evento em que só aconteceram apresentações solo, nada simultaneamente. Pulando para a parte mais dinâmica do dia, tivemos 3 salas abarrotadas, cada uma com 5 a 6 apresentações durante a tarde. A sala N800 foi fechada por chegar ao limite de participantes, fazendo com que os que chegaram por último tivessem que se encaminhar para uma das outras sessões, que não estavam menos cheias.

(Até esse ponto, o post já está gigante. É impossível detalhar todas as 17 apresentações da tarde. É impossível mostrar mesmo que pequenas partes de cada uma. Por isso tudo, vou falar de algumas poucas apresentações, tentando oferecer o máximo de conteúdo.)

Várias apresentações da tarde envolveram experiência e interfaces de usuário (UX Panel, UI design of Maemo 5 apps) e desenvolvimento de aplicações usando Qt (Cross-platform with Qt – live, Developing widgets on Maemo 5, Developing apps with Qt for Maemo5, Developing apps with Qt on Harmattan). Como estão todos relacionados, vou falar das grandes observações da tarde nesse contexto, tudo de uma vez.

Algumas observações muito interessante foram feitas acerca do que o N900 representa para a comunidade Maemo. Segundo os relatos, a anos a comunidade esperava chegar ao ponto que chegou. “N900 é o que esperamos desde o 770? Sim!” foi o que disse Tim Samoff. Ele também disse que Maemo já nem tem cara de GNU/Linux. Com certeza, a evolução em termos de UI e UX foi fantástica nos últimos 4 anos.

Sobre UI e UX, muito foi dito. Um dos pontos mais interessantes foi o uso de efeitos e afins. Qt 4.5, já suportada pelo Maemo 5, possui um quantidade imensa de possibilidades para criação de efeitos. Tanto que se não segurar a mão e sair enfeitando sua aplicação loucamente, vai piorar muito ao invés de melhorar. A dica dada foi de usar efeitos apenas quando necessário. Eles estão disponíveis, mas ninguém precisa que sua tela fique piscando feito árvore de Natal :-).

Sala lotada para acompanhar as apresentações sobre Qt. (foto de pippuri, via twitpic)

Sala lotada para acompanhar as apresentações sobre Qt. (foto de pippuri, via twitpic)

Um fato interessante e que ocorre muito pouco em outras comunidades é a importância dada pela comunidade Maemo ao usuário final. “Pense nos usuários comuns, não nos geeks… porque eles vão ditar o sucesso das aplicações já que são a grande massa de usuários . “Usuários são seus amigos – tente agradá-los!“. Não é a toa que Maemo se tornou o que é.

Sobre desenvolvimento, foram várias apresentações, com vários enfoques diferentes. Do básico ao avançado, do teórico ao prático, de Maemo 5 ao 6. Todos os tópicos cobertos por profundos conhecedores de Qt e de desenvolvimento para Maemo.

No tópico de uso dos estilos Qt, uma informação muito valiosa: estilos, nesse caso, não muito mais que decoração. Eles foram criados para aumentar a usabilidade com os dedos e com a stylus e uso eficaz e eficiente da tela. Não é apenas uma questão de manter compatibilidade visual ou reutilizar código: faz bem para a aplicação fazer bom uso do hardware em que ela roda.

Nesse sentido, fazer refatoração de aplicações portadas é muito importante. Mesmo sendo possível portar aplicações que usam Qt em vários casos apenas compilando para Maemo, para atingir bons níveis de usabilidade e fazer bom uso da plataforma, convém fazer refatoração da interface.

Além de apresentações focadas em desenvolvimento e interface, rolaram também algumas sobre aplicações para Maemo. Firefox e Skype um momento para cada, e também aconteceu uma apresentação sobre aplicações para trabalho e produtividade.

Na apresentação da Mozilla, muita coisa interessante foi apresentada. Mozilla anda trabalhando em cima de várias tecnologias para dispositivos móveis, como multitouch (\o/) e WEBGL. Também estão trabalhando no suporte nativo à câmera e à acelerômetro, o que deve melhorar ainda mais a navegação nos browsers da empresa.

Apresentação da Mozilla sobre Firefox no Maemo (foto de Chippy, via tweetphoto)

Apresentação da Mozilla sobre Firefox no Maemo (foto de Chippy, via tweetphoto)

O objetivo do trabalho da Mozilla nos browsers para mobile é levar para a palma da mão a experiência web do desktop. “Há uma única web. O que você vê no seu desktop é o que você (deve ver?) vê no seu dispositivo móvel“, diz Stuart Parmenter, diretor de engenharia na Mozilla.

Entre os projetos futuros da Mozilla para dispositivos móveis estão o Mobile Firefox, um port do mesmo Firefox que você usa no desktop para dispositivos móveis, e plugins para usar informações geográficas do aparelho para Fennec. Com um port completo do Firefox para mobile, teremos a mesma experiência do desktop nos nossos dispositivos móveis, como navegação e plugins. Em contra partida, podemos sofrer com falta de eficiência para algumas tarefas. Veremos quando ficar pronto. Com relação ao uso de informações geográficas no Fennec, só temos o que ganhar.

Fennec, que ganhará add-ons para suportar informações geográficas.

Fennec, que ganhará add-ons para suportar informações geográficas.

Já a apresentação do Skype teve um foco um pouco diferente, mas nos deu informações igualmente interessantes. O mais marcante foi a análise feita do suporte e integração do Skype na família do N900 e seus antecessores. Em 2006 (2007?), Skype chegou à família no N800, trazendo a capacidade de fazer chamadas ao aparelho, apesar da integração entre o software e o Maemo ser baixa nessa época. Hoje, no N900, há uma integração muito maior com a plataforma, tanto em alto nível (como interface e compartilhamento de lista de contatos com a agenda, por exemplo) com em baixo nível (bibliotecas). Apesar da grande integração, nada ainda de Skype Video para Maemo 5 (sem referência para essa, mas juro que li isso no twitter).

A apresentação sobre biz apps foi cheia de conteúdo. Falaram de inúmeras aplicações já existentes e do espaço para mais aplicações, ou evolução das aplicações atuais. O potencial para aplicações desse tipo é grande, e a plataforma sempre demonstrou carência disso. Demostrava, até o Maemo 5.

A lista de aplicações que vem com o Maemo 5 espanta, quando comparada a lista do Maemo 4: calendário, e-mail, notas (conboy), escritório com KOffice e DocumentsToGo (office viewer apenas, mas já é um começo), Evernote, Fring e OCR. E não foi nem a grande parte, essa lista consiste das principais, mais úteis e as novidades mais interessantes. No e-mail, o suporte é bem completo: além de IMAP, POP e afins, há também suporte a Exchange por exemplo.

Para dar o gostinho do que será cada um dos aplicativos, conseguimos alguns vídeos. Para iniciar, o novo aplicativo de calendário está muito mais simples e fácil de usar que todas as opções do Maemo 4 que testei.

Outro aplicativo que merece um video é o OCRFeeder. Aplicativo simples de usar e que agrega muito valor a nossa vida. Poder tirar uma foto de um cartaz/cartão de visita/outdoor/… e ter o texto reconhecido sem dores de cabeça é uma dádiva. E uma dádiva livre!

Para resumir o dia, um video muito bom com a apresentação da dupla Maemo 5 + N900 feita por Peter Schneider e a exibição de mais um monte de funcionalidades. Detalhes do gerenciador de aplicativos, usabilidade do aparelho, algumas aplicações que estão disponíveis e a capacidade de hardware e software quase imbatível.

O primeiro dia de evento foi muito intenso, com muito conteúdo e muito trabalho para nós que cobrimos e para a organização, que segurou a onda o tempo todo. Da abertura do evento até o fim do dia, foram inúmeras apresentações, passando por palestras de história, do que está acontecendo agora e do futuro. Foi um dia de recepção calorosa e de união da comunidade. Um dia de distribuição de N900 para todos os participantes e de causar inveja no resto do mundo.

Mas foi só o primeiro dia. Ainda tem muito mais para cobrir. Aguarde pela cobertura dos dias 2 e 3 aqui no Free Bird em breve.

Não se perca. Caminho fácil pelo Maemo Summit é acompanhar tudo pelo Free Bird (foto por olevine, compartilhada no twitpic)

Não se perca. Caminho fácil pelo Maemo Summit é acompanhar tudo pelo Free Bird (foto por olevine, compartilhada no twitpic)

Contagem regressiva para Maemo Summit… 0!

1255046392 (8/10/2009) 4 comentários

Amanhã começa o Maemo Summit 2009, evento anual organizado pela Nokia e pela comunidade Maemo que está em sua segunda edição. Membros da comunidade de todo o mundo estão/estarão em Amsterdam unidos para trocar experiências e principalmente para interagir além do IRC.

O evento acontece de amanhã até Domingo (9, 10 e 11 de Outubro), com uma pequena etapa rolando hoje (para nós, porque já é sexta na Alemanha [edit]Holanda[/edit], mas não deixa de ser sexta na Alemanha também), para adiantar o cadastramento e uma choppada (que aconteceu aqui).

Westergas fabriek HDR - Fiquei com mais vontade de estar lá depois de conhecer o local pelas fotos

Westergas fabriek HDR - Fiquei com mais vontade de estar lá depois de conhecer o local pelas fotos (foto de localjoost, compartilhada via Creative Commons)

Sem sombra de dúvida é o maior evento que eu conheço da comunidade Maemo. Serão 400 participantes, 4 salas (que como tinham nomes complicados em alemão [edit]holandês[/edit] foram rebatizadas espertamente pelos participantes de 770, N800, N810 e N900) bem grandes com várias dezenas de apresentações/palestras/painéis/afins simultânea/os .  Tudo isso dentro do WesterGasFabriek, um lugar gigante e muito bonito em Amsterdam. (Tanto que foi para minha lista de lugares para visitar quando estiver na Europa, caso em algum dia remoto eu consiga ir para lá).

Como no Nokia World 2009, o evento acontece [edit]na Alemanha e[/edit] por sorte ou não! no mesmo fuso: GMT +2 (GMT +1, fuso de Amsterdam +1 do horário de verão da Europa Central). Isso significa que para acompanhar tudo ao vivo você precisa acordar às 5 da manhã. Ok, parace difícil. Eu faço isso por vocês. De novo :-).

Há uma divisão interna entre as organizações para os três dias do evento: um fica por conta da Nokia (e será amanhã, dia 8) e os outros dois (Sábado e Domingo), por conta da comunidade. Como os objetivos e ensejos são bastante distintos, é como se houvesse dois eventos dentro do Maemo Summit. Nada que segregue o evento, mas sim que dá duas faces para ele.

(Se você não quer saber detalhes do que acontecerá lá, pule os próximos dois parágrafos :-))

Amanhã, o dia da Nokia, começa às 9:00 (4:00 aqui) com mais uma etapa de cadastramento para quem não chegou na Quinta-feira. Às 10 Peter Schneider, cabeça do marketing do Maemo na Nokia, comanda a abertura. Às 10:15 (5:15 aqui) acontece a palestra sobre Maemo 5 e N900 de Ari Jaaksi, um dos comandantes da divisão de dispositivos Maemo na Nokia e quem primeiro anunciou o que seria o N900, ainda em 2008. Às 11, o Diretor Executivo da Linux Foundation apresenta sua palestra sobre o porque (GNU/)Linux terá um papel crítico nas mudanças de panorama da computação. Jose-Luis Martinez Merino, também do marketing da Nokia, apresenta às 11:45 (6:45 aqui) a importância do Maemo na Nseries. Para finalizar a parte da manhã (antes do rango lá), o diretor de planejamento de produtos Maemo Janne Heikkinen faz uma apresentação sobre algumas oportunidades para desenvolvedores no Maemo 6.

Depois do almoço (14:15 lá, 9:15 aqui) e antes de uma bateria de palestras simultâneas acontece uma entrevista com Ari Jaaksi sobre o porque a comunidade Maemo importa para a Nokia. As palestras da tarde de Sexta acontecem em três salas apenas (ao contrário de Sábado e Domingo, que ocuparam as 4 salas disponíveis). Alguns destaques são o painel de user experience, a apresentação com demos ao vivo de Qt cross-platform, e palestras sobre Mer, Firefox no Maemo, aplicativos orientados a negócios e sobre arquitetura do Maemo 6. Tudo isso entre 15 e 18 (10 e 13 aqui). Depois disso, às 20 (15 aqui), vai ter mais festa lá.

E isso é só o primeiro dia. Para os próximos, o volume de informação esperado é ainda maior. Nós vamos acompanhar tudo e postar assim que possível o que for mais relevante aqui. Até lá, vocês podem nos acompanhar via twitter e identi.ca e também acompanhar a tag do evento, #maesum.

Android Magic-o da HTC chega ao Brasil

1253664027 (23/09/2009) 6 comentários
HTC Magic - Primeiro aparelho com Android a aparecer oficialmente no Brasil [EDIT]: Essa foto é de um Magic sem Sense, como os aparelhos vendidos em outros países [/EDIT]

HTC Magic - Primeiro aparelho com Android a aparecer oficialmente no Brasil [EDIT]: Essa foto é de um Magic sem Sense, como os aparelhos vendidos em outros países [/EDIT]

Quinta-feira passada (17/09/2009) foi lançado no Brasil o HTC Magic, primeiro smartphone com Android a aparecer oficialmente por aqui. (Auto-intitulada) Líder internacional na plataforma do Google, a empresa chegou firme para demarcar território com o aparelho. Além do Android, temos mais algumas ótimas novidades, como a presença do HTC Sense e a fantástica tela do aparelho. E algumas novidades não tão boas, como a inexistência de um acordo com o Google sobre apps para o aparelho. Mas vejamos sua mágica.

O HTC Magic é da nova geração de aparelhos da HTC, que tenta acompanhar a nova geração de usuários de smartphones. Hoje muito mais do que nunca aparelhos dessa categoria tem muito mais de uma função na vida das pessoas. Além disso, a tendência corrente é que os aparelhos fiquem conectados (praticamente) o dia todo, para os mais diversos usos. O Magic é uma ótima maneira encontrada pela HTC de encarar esses novos desafios. (E eu emprestei esse parágrafo de parte do discurso do apresentador do produto =P).

A grande mágica trazida pela gigante Taiwanesa nesse dispositivo foi o HTC Sense (que merece um post só para ele), conceito de experiência de usuário que será empregado pela empresa em seus dispositivos com Android. A ideia central do conceito é permitir que o usuário seja capaz de criar um aparelho único, que seja completamente aderente às suas necessidades. Projeto ambicioso. Mas não é que a HTC conseguiu!?

Tão fantástico é o Sense que até hoje não se viu (eu não vi, você viu?) nada parecido quando o assunto é personalização em dispositivos móveis. É possível por exemplo criar diversos perfis para um mesmo usuário. Isso parece simples (e realmente é) mas é uma ideia com muito potencial. Imagine ter configurações diferentes do seu aparelho para trabalho, idas a shows, aulas e o que mais for necessário. O que você precisa naquele momento da sua vida é o que o aparelho te oferece. E para cada perfil, você tem várias telas para colocar seus aplicativos mais usados, widgets e tal.

E isso é uma novidade exclusiva, ao menos por enquanto, do público brasileiro. Ao que tudo indica, lá fora, o Magic não têm (tinha?) o Sense. Ponto para eles.

Software com certeza é o forte desse aparelho. Clientes para Facebook, Flickr, Picasa, Twitter, You Tube, Gmail, Google Maps, Google Talk, Google Calendar, … ufa. E eu nem terminei a lista. E ainda melhor: tudo isso integrado! Com certeza o sonho de muita gente realizado. Mas eles levaram isso a sério mesmo: o dispositivo oferecerá acesso até ao Street View do Google Maps.

Essa você já deve ter ficado com a pulga atrás da orelha. Se tem Street View, deve ter flash. Tem mesmo. Eu não diria que é o melhor suporte de flash do universo, mas pelo menos o suporte existe, o que para esse tipo de dispositivo já é bastante coisa.

O discador do aparelho também promete fazer mágica. Chamado espertamente de Smart Dialer, ele promete encontrar com apenas algumas teclas o contato que você procura. A ideia é deixar que o aparelho encontre o contado para você, sem muito esforço. Só experimentando para ver.

Outros dois softwares muito interessante são o Footprint e o Barcode Scanner. O primeiro é uma aplicação muito útil para gerenciar fotos com geotagging e comentários. Tire fotos, guarde a posição onde tirou, comente-a. Volte no mesmo lugar anos depois e a aplicação de mostra os momentos ali registrados. Muito simples, muito útil. A segunda, um scanner de códigos de barra que utiliza serviços do Google para encontrar informações sobre o produto associado ao código de barras. Outra aplicação que todo mundo quer, mas não sabia quando teria acesso.

Smart Dialer, Street View e Barcode Scanner - E isso é só uma parte do que o HTC Magic tem a oferecer

Smart Dialer, Street View e Barcode Scanner - E isso é só uma parte do que o HTC Magic tem a oferecer

No hardware, tenho um ponto forte a ressaltar, antes de mais nada. É mais uma das novidade que realmente deixa o queixo no chão. A tela do aparelho é capacitiva e multitouch! (Apple que se cuide.) Além disso, tem resolução de 320 x 480 pixels (HVGA) em 3.2 polegadas com 64k cores. Veja parte das especificações do aparelho:

Processador Qualcomm® MSM7200A™, 528 MHz
Memória ROM: 512 MB
RAM: 288 MB
Display LCD TFT de 3.2 polegadas, com 65.536 cores, resolução HVGA 320 x 480 pixels, tela capacitiva sensível ao toque.
Câmera Câmera colorida de 3.2 MP com foco automático.
Teclado Teclado virtual
Navegação Track ball
Botões de atalho (home, menu, back, search, verdinho e vermelinho)
Bateria Bateria recarregável de íons de Lítio
Capacidade: 1340 mAh
Dimensões 113mm C x 55,56mm L x 13,65mm E
Peso 116g com a bateria
Redes HSPA/WCDMA: 850/2100 MHz
Velocidades de até 2 Mbps de up-link e 7,2 Mbps de down-link
Quad-Band GSM/GPRS/EDGE: 850/900/1800/1900 MHz
Conectividade Bluetooth® 2.0
Wi-Fi®: IEEE 802.11 b/g
Mini USB 2.0 de 11 pinos e conector de áudio
GPS Antena GPS integrada
Expansão microSD™ (compatível com SD 2.0)

O resto do hardware não tem nada de muito extraordinário. Processador Qualcomm MSM7200A de 528 MHz, igual ao de outros modelos da marca, como Hero, Touch Pro 2 e Touch Diamond 2 e de outros aparelhos como Sony Ericsson Xperia X1 e X2 e o Samsung GT-i7500 Galaxy. A quantidade de RAM é um pouco superior ao que estamos acostumados a ver nos smartphones atualmente: 288 MB nele contra 256 MB na média. Bluetooth, Wi-Fi, acelerômetro e GPS, o que atualmente não é mais que obrigação num aparelho da cateoria. E o armazenamento interno é bem pequeno, apenas 512 MB, o que praticamente exige uma expansão por meio da entrada MicroSD disponível. E para finalizar, a informação da duração da bateria: “depende do uso” (!?).

Botoẽs do HTC Magic: home, menu, back, search, verdinho e vermelinho, além do track ball

Botões do HTC Magic: home, menu, back, search, verdinho e vermelinho, além do track ball

Ao contrário de diversos aparelhos da nova geração que andam vindo com pouquíssimos botões (ou nenhum no caso do N900), o Magic vem com vários: home, menu, back e search, os clássicos verdinho e vermelinho, além de contar com uma track ball. Home e menu não são muito diferentes do esperado. O back oferece navegação para trás, tela a tela, também como esperado. E o search abre as buscas contextualizadas do aparelho, que prometem ser revolucionárias (mas veremos).

Outras informações são um grande mistério. Preço sugerido: vai depender das operadoras (Oh!). Operadoras que vão oferecer o dispositivo: ninguém sabe. (Ou seja, o preço vai ser decidido por ninguém sabe quem.) Disponibilidade no varejo (aka venda de desbloqueados) também é uma incógnita. Acordo com o Google para vender apps por aqui: inexistente e ninguém sabe se vai sair em algum momento ou quando sairá caso saia. Praticamente todas as questões comerciais estão em aberto. Você está perdido? Nós também.

Com ingredientes requintados como os usados no HTC Magic, fica difícil errar a receita. Hardware bastante razoável munido de uma fantástica tela capacitiva multitouch. Conceito HTC Sense com grande poder atrás de sua simplicidade. Android como plataforma, rica e flexível. Uma mistura que tem tudo para dar muito certo. Pelo menos se o escuro em que estamos com relação as questões comerciais não atrapalharem.